O título deste post é uma expressão bastante conhecida dos brasileiros, inclusive foi nome de uma novela global de sucesso.

Pois bem, o relato que passo a transmitir ocorreu há aproximadamente 50 anos, um diálogo entre pai e filho.

As famílias eram muito numerosas, criavam-se os filhos com pouco luxo ou quase nada. Na campanha não existia energia elétrica. Tudo que era perecível deveria ser utilizado em pouco tempo. Quando se carneava um animal, se fazia o charque e o restante era distribuído entre os vizinhos, que retribuíam o “mimo”, um de cada vez.

Corriam os anos 60, época turbulenta em nosso país, com manobras políticas e revoltas civis, culminando com o Regime Militar, instaurado no Brasil a 01 de abril de 1964.

Em meio a todo esse “furdunço”, em uma pequena propriedade rural no Município de São Sepé, um jovem rapaz solteiro planejou “ganhar” o mundo em busca de condições melhores de vida.

O velho Lúcio Costa, tropeiro de tantas passagens mundo afora, andava aporreado por demais com aquele desejo do filho de abandonar “as casa”, pois ali tudo era humilde, mas onde come 1, comem 2. Lá pelas tantas, ao cevar um amargo (chimarrão), não hesitou em perguntar ao filho:

– Mas Prenda (apelido de meu pai), porque vais embora? Aqui temos de tudo, bons amigos, trova e cana…. teu lugar é aqui no Fraga (localidade no Interior de São Sepé)….

– Pai, é hora de bolear a perna e buscar a minha vida, já fiz coisas certas, coisas boas e coisas erradas. Agora preciso fazer meu pé de meia, traçar o meu destino….

Vovô Lúcio sabia que meu pai tinha razão, era hora de bater asas. Ao estender a mão passando o mate ao filho, parafraseou:

– Boa sorte Prenda, nesse mundo de Deus, tu vais ver Cobras e Lagartos….

O restante da história, podemos resumir. Meu pai teve a carteira assinada por uma única empresa, e nela permaneceu até a aposentadoria. Com esforço vivenciado juntamente com minha mãe, fez o seu pé de meia, norteando os filhos a seguirem os seus passos com ética, comprometimento e profissionalismo. Essa é a melhor herança.

Pois bem, passados 50 anos, fico a pensar…. será que o Vô Lúcio, Paisano já cansado da lida imaginava o tamanho real das cobras e lagartos?? Com certeza não fazia ideia… as barbaridades que vivenciamos nos dias atuais não permitiram qualquer acerto nas previsões dos mais antigos.

Pois bem, aos amigos, estarei utilizando as mesmas palavras de outrora: Vocês ainda verão cobras e lagartos! E infelizmente minhas previsões também deixarão a desejar.

Assim como meu pai era muito “apegado” ao meu avô, também deixo o registro de um apego, registrado em um momento de emoção plena e pura, a reinauguração do Estádio Beira-Rio junto a meu velho.

Grande abraço, sucesso, saúde e paz!!

 

Reinauguração Estádio Beira-Rio, 06/04/2014

Reinauguração Estádio Beira-Rio, 06/04/2014

 

Reinauguração Estádio Beira-Rio. 06/04/2014. Mãe e Pai.

Reinauguração Estádio Beira-Rio. 06/04/2014. Mãe e Pai.