Hoje, 14 de fevereiro faz exatos dezesseis anos que minha avó materna, Perciliana Melo da Silva faleceu. Assim como no Post anterior, ótimas lembranças…

“Tia Pérsia” como era conhecida, morreu um dia após eu completar 14 anos. Algum tempo depois encontrei em seus pertences um pequeno rascunho de um cartão que ela entregaria com o meu presente.

Aprendi muita coisa com ela. Lembro das férias de verão que íamos pro “Passo da Jovita” em Santana da Boa Vista. Bons tempos… íamos eu e minha irmã e nunca queríamos voltar quando pai e mãe chegavam pra nos buscar.

Muito aprendi sobre os antepassados. Com ela aprendi a gostar de genealogia. Historinhas como a “Sopa de Pedra” eram frequentes. Pequenas orações de criança também aprendi com esta minha grande amiga.

E a frase que eu mais gostava quando ela me mimava:

– Só o “mozinho” que a vó tem. Ficará para o resto da vida.

Professora muito conhecida, recebeu muitas homenagens, inclusive nome de rua em Santana. Dezesseis anos… o tempo passa rápido, mas as lembranças sempre frequentes em nosso dia a dia.

Essa foto é de algum período de férias que ficávamos muito tempo pra fora, pra alegria de todos. Registro de data não possuo, mas pela estampa do guri, devia ter uns 4 ou 5 anos.

 

Eu e Vó Pérsia

Eu e Vó Pérsia